Java

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Biografia - Anastasia Nikolaevna



Anastasia Romanov era a filha mais nova e de Nicolau II e Alexandra da Rússia, nascida a 18 de Junho de 1901 no Palácio de Peterhof.

Anastasia tornou-se conhecida após a sua morte devido às inúmeras mulheres que se fizeram passar por ela ao longo do século XX e também por se ter tornado um ícone da cultura popular por todo o mundo graças à numerosas adaptações cinematográficas e literárias que a sua vida inspirou.

Anastásia nos braços da mãe em 1901
A esperança no nascimento de um herdeiro para a dinastia Romanov foi novamente adiada com o nascimento de Anastasia  Nikolaevna em 1901. Quando recebeu a notícia de que tinha sido pai da quarta filha consecutiva, o czar Nicolau II foi dar um longo passeio sozinho para se acalmar antes de visitar Alexandra e a nova bebé.

Anastásia com os seus pais e irmãs em 1901
Um significado para o nome Anastasia é "aquela que se liberta das correntes". A quarta grã-duquesa recebeu o nome devido ao facto de, em honra do seu nascimento, o seu pai ter perdoado e colocado em liberdade estudantes que tinham sido presos por participarem em motins em São Petersburgo e Moscovo no Inverno anterior. Outro significado para o seu nome é "ela erguer-se-á", ligado à ressurreição, facto que foi muitas vezes repetido quando as histórias sobre a sua sobrevivência começaram a aparecer.

Anastásia em 1902
Anastasia tinha um aspecto e personalidade diferentes das suas femininas e bem-comportadas irmãs. Era descrita como uma “maria-rapaz” que gostava de subir às árvores e brincar com os rapazes. A dama-de-companhia da sua mãe, Shopie Buxhoeveden, escreveu o seguinte sobre Anastasia e a sua irmã Maria:

A Maria Nikolaevna era igual à Olga em cores e feições, mas com tudo mais acentuado e vivo. Tinha o mesmo sorriso encantador, os mesmos contornos do rosto, mas os olhos dela, 'as safiras da Maria', como eram conhecidos entre os seus primos, eram magníficos, de um azul profundo. O cabelo dela tinha madeixas douradas e, quando foi cortado depois da doença dela em 1917, encaracolou-se naturalmente em volta da cabeça. A Maria era inteiramente dominada pela sua irmã mais nova, Anastasia Nikolaevna, chamada de 'criança mal-comportada' pela sua mãe.


Talvez a Anastasia se tivesse tornado na mais bonita das irmãs se tivesse vivido mais tempo. As suas feições eram regulares e bem delineadas. Tinha um cabelo bonito, olhos bonitos e vivos como se tivessem sempre um sorriso brincalhão escondido nas suas profundidades, e sobrancelhas negras que quase se juntavam. Tudo isto combinado, fazia com que a grã-duquesa mais nova fosse diferente de todas as irmãs. Tinha um aspecto próprio e parecia-se mais com a família da mãe do que com a do pai. Era muito baixa, mesmo aos 17 anos e era, na altura, bastante gorda, mas era gordura da juventude. Ela teria-a ultrapassado como a sua irmã Maria.


No iate do pai

Anastasia era a origem de todo o mau-comportamento dos irmãos e era tão esperta e divertida quanto era preguiçosa nas suas lições. Era astuta e observadora, com um apurado sentido de humor, e era a única das irmãs que nunca soube o significado da palavra timidez. Mesmo muito nova, fazia rir até os velhos mais sisudos que se sentavam ao seu lado na mesa.

Anastásia por volta de 1906 (Анастасия Николаевна 

Anastasia cresceu espevitada e energética, descrita como sendo baixa e com tendência a engordar, com olhos azuis e cabelo loiro quase ruivo. Margaretta Eagar , a ama das quatro irmãs, comentou que alguém lhe tinha dito que Anastasia tinha a melhor personalidade que alguma visto numa criança. 

Embora muitos dissessem que Anastásia era dotada e brilhante, a verdade é que nunca se interessou pelas restrições da sala de aula, de acordo com os seus tutores Pierre Gilliard e Sydney Gibbes que, juntamente com o resto dos empregados da família, a descreveram como sendo energética, travessa, e uma actriz talentosa. Contudo a sua inteligência nem sempre era utilizada na melhor maneira.

Anastasia em 1906

A ousadia de Anastasia, excedia, por vezes, os limites do comportamento aceitável. "Sem dúvida nenhuma que bateu o recorde de castigos atribuídos na casa, uma vez que, aopregar partidas, era um verdadeiro génio," disse Gleb Botkin, filho do médico da corte, Yevgeny Botkin que viria a morrer com o resto da família em Ecaterimburgo.

Anastásia com a sua irmã Olga em 1906
Às vezes, Anastasia fazia rasteiras aos empregados e pregava partidas aos seus tutores. Quando era criança, subia às árvores e recusava-se a descer, sendo que o único que a conseguia convencer a fazê-lo era o seu pai, Nicolau II. Uma vez, durante uma luta de bolas de neve na propriedade polaca da família, Anastasia escondeu uma pedra com neve e atirou-a à sua irmã Tatiana, fazendo-a cair ao chão. Uma prima distante, a princesa Nina Georgievna recordou que "a Anastasia era uma má perdedora ao ponto de ser verdadeiramente maldosa," e fazia batota, dava pontapés e arranhava os seus adversários durante os jogos. Também se preocupava menos com a sua aparência do que as suas irmãs. Hallie Erminie Rives, uma escritora americana e esposa de um diplomata descreveu como Anastasia de dez anos comia chocolates sem se preocupar em tirar as suas luvas brancas enquanto assistia a um espectáculo na casa da ópera de São Petersburgo.

Anastásia por volta de 1910
Anastasia e a irmã mais velha Maria eram conhecidas como "o par pequeno" e partilhavam o mesmo quarto. Juntamente com as irmãs mais velhas, Olga e Tatiana, costumavam assinar as cartas com a alcunha OTMA que vem da primeira letra de cada um dos seus nomes. Para além de Maria e das irmãs, Anastasia era também muito próxima do seu irmão mais novo, Alexis e era ela que o costumava divertir quando ele sofria de ataques de hemofilia.

Anastásia e Alexei por volta de 1908
Apesar da sua energia, a saúde física de Anastasia era frca. A grã-duquesa sofria de joanetes que lhe afectavam os pés. Além disso tinha um musculo fraco nas costas que tinha de ser massajado duas vezes por semana. Normalmente escondia-se debaixo da cama ou no armário para evitar estas massagens.

Anastásia com a mãe e a irmã Maria. Na foto é possível verificar a má formação e joanetes que afectavam os dedos dos pés de Anastásia
A sua mãe, Alexandra, confiava nos conselhos de Gregório Rasputine, um camponês russo que se considerava um "homem santo" e usou as suas rezas para salvar Alexis em numerosas ocasiões. Anastasia, as irmãs e o irmão foram ensinadas a tratar Rasputine por "O Nosso Amigo" e a trocar confidências com ele. No Outono de 1907, a sua tia Olga Alexandrovna foi levada aos quartos das crianças pelo czar para conhecer Rasputine e deparou-se com as suas sobrinhas e sobrinho a usar as suas camisas de dormir.

Anastásia (esq.) com Rasputine, a mãe e a irmã Olga
Segundo relatos da época as crianças pareciam gostar dele e costumavam escrever-lhe frequentemente. Mais tarde seriam essas cartas que iriam incentivar os rumores de que o maléfico monge mantinha um romance tanto com Alexandra como com as suas filhas, particularmente devido a uma carta inocente, mas sugestiva que Anastasia lhe escreveu: "Meu querido, precioso e único amigo, quanto gostaria de te poder ver outra vez. Voltaste a aparecer-me num sonho. Estou sempre a perguntar à mamã quando vais voltar. Penso sempre em ti, meu querido, porque és tão bom para mim." Para além das cartas, circulavam também caricaturas pornográficas que mostravam a czarina e as filhas a terem relações com Rasputine .

Sem saber da doença de Alexis , tanto o povo russo como membros da família questionavam a presença do monge siberiano na corte. Mais tarde, Nicolau pediu-lhe que se ausentasse de São Petersburgo e ele foi para a Palestina, mas acabou por regressar e serviu sempre a família até ao seu assassinato em 1916.

Anastásia (dir.) com a tia Olga Alexandrovna e a irmã Tatiana
Durante a Primeira Guerra Mundial, Anastasia , juntamente com a irmã Maria, visitava soldados feridos num hospital privado em Tsarskoye Selo onde também trabalhavam a mãe e as irmãs mais velhas Olga e Tatiana. As duas adolescentes jogavam xadrex e bilhar com os soldados e tentavam animá-los. Felix Dassel, que foi tratado nesse hospital e conheceu Anastasia, contou que a grã-duquesa "ria como um esquilo e andava muito depressa, tropeçando várias vezes pelo caminho."

Maria e Anastásia durante uma visita a um hospital em 1915
Após a abdicação do pai a Março de 1917, Anastasia foi presa com o resto da família, primeiro em Czarskoe Selo, depois em Tobolsk e, finalmente, em Ecaterimburgo. O stress e a incerteza sobre o seu destino, afectaram tanto Anastasia como o resto da família.

Anastásia com o pai em 1916
"Adeus," escreveu ela a um amigo no Inverno de 1917. "Não te esqueças de nós." Em Tobolsk, escreveu uma canção para o seu tutor de Inglês, cheia de erros ortográficos sobre Evelyn Hope, um poema de Robert Browning que falava sobre uma jovem da idade de Anastasia: "Quando ela morreu tinha apenas 16 anos. Havia um homem que a amava, sem alguma vez a ter visto, mas conhecia-a muito bem. E ela também tinha ouvido falar dele. Ele nunca lhe conseguiu dizer que a amava, e agora ela estava morta. Mas mesmo assim ele pensou que quando ele e ela vivessem [a sua] próxima vida, quando isso acontecesse (...)"

Anastásia na primavera de 1917
Mesmo nos seus últimos meses de vida, Anastásia encontrou sempre maneiras de se divertir. Juntamente com outros membros do grupo de empregados que a família levou, frequentemente organizavam peças de teatro para entreter os pais e os outros habitantes da casa de Tobolsk , durante a Primavera de 1918. As representações de Anastasia faziam todos caírem ao chão de tanto rir, segundo o seu tutor Sydney Gibbes . No dia 7 de Maio de 1918, uma carta enviada para a sua irmã Maria que já se encontrava em Ecaterinburgo , descrevia um momento de alegria, apesar da tristeza, solidão e preocupação que Anastasia sentia pelo seu irmão Alexis : "Estivemos a brincar nos baloiços, e foi aí que eu me perdi de riso, a queda foi tão maravilhosa! Mesmo! Eu já a contei às nossas irmãs tantas vezes ontem que elas já estão fartas de me ouvir, mas eu podia continuar a contar a história muitas vezes... Que clima fantástico temos tido! Qualquer um podia gritar de alegria."

Anastásia e Alexei em 1915
Nas suas memórias, um dos guardas da "Casa Para Fins Especiais", Alexandre Strekotin , recordou Anastasia como sendo "muito amigável e divertida",  enquanto que outro disse que ela era "um diabo muito charmoso! Era traquinas e, pelo que vi, raramente se cansava. Era muito agitada, e gostava muito de pôr os cães a representar em comédias mímicas, como se fossem cães de circo." No entanto um outro guarda apelidou-a de "ofensiva e terrorista" e queixou-se de que, ocasionalmente, ela provocava tensões dentro da casa.

Anastásia (esq.) a espreitar de uma janela com as irmãs Maria e Tatiana, na casa do governador em Tobolsk

A lenda de Anastasia começou na noite de 17 de Julho de 1918. A grã-duquesa seguiu o resto da sua família, levando o seu cão Jimmy nos braços para a cave da Casa Ipatiev onde todos terão sido executados.

De acordo com o Relatório de Yurovsky, o homem que comandou o fuzilamento, após a primeira vaga de disparos, as balas fizeram ricochete nas jóias que as grã-duquesas tinham cosido nos seus corpetes. Pouco depois Olga e Tatiana terão sido esfaqueadas com as baionetas dos soldados, enquanto que as outras duas estavam encostadas à parede, aterrorizadas a tapar a cara até serem executadas com balas dos soldados.

Última imagem conhecida de Anastásia, a bordo do Rus, o barco que a levou a ela e aos irmãos para Ecaterimburgo.
No entanto há também relatos que contradizem o que foi escrito por parte dos próprios soldados que mataram a família. Um deles, Peter Ermakov , contou à mulher que Anastasia tinha sido esfaqueada e não morta por tiros. Outros dizem que já quando os corpos estavam a ser transportados para o camião, a filha do czar começou a chorar e foi morta com um golpe na cabeça.

Nos anos que se seguiram ao massacre da Casa Ipatiev pelo menos 10 mulheres garantiram ser a grã-duquesa , sendo a mais famosa Anna Anderson . Com cada nova mulher que aparecia, chegava também uma nova história sobre como Anastasia e até os seus irmãos teriam sobrevivido.

Anna Anderson, a mais conhecida pretendente que se fez passar por Anastásia ao longo de todo o século XX
Havia rumores de que Anastasia tinha sido salva por um dos guardas quando este reparou que ela estava viva, de que tanto ela como a irmã Maria tinham sido salvas por um padre em 1919 e que viveram como freiras num convento nos Montes Urais até à morte de ambas em 1964, os rumores chegaram também à Bulgaria onde um homem chamado Peter Zamiatkin que se dizia ser um guarda da família imperial, contou a um paciente de 16 anos de um hospital que tinha levado Anastasia e Alexis para Odessa e, mais tarde conseguiu escapar para Alexandria de navio. Os supostos filhos do czar teriam vivido com nomes búlgaros e morreram em 1954.

Anastásia em 1915
Os rumores da possível sobrevivência de Anastasia foram também alimentados pelos relatos de que comboios e casas estariam a ser revistados pela polícia secreta dos bolcheviques que procurava Anastasia Romanov. “No curto espaço de tempo em que esteve presa em Perm durante 1918, a  princesa Helena Petrovna , esposa do primo distante da grã-duquesa , principe João Constantinovich , contou que uma vez um guarda lhe trouxe uma rapariga que dizia ser Anastasia Romanova à sua cela e lhe perguntou se aquela era a filha do czar. Helena Petrovna disse que não a reconhecia e então a rapariga foi levada novamente. Na mesma cidade corriam rumores de que algumas pessoas tinham visto Alexandra e as filhas depois do assassinato, mas nunca se deu grande importância à história".

Anastásia em 1915
Uma outra história de que oito testemunhas tinham assistido à captura de uma jovem que, aparentemente, tentava fugir do país em Setembro de 1918. Algumas dessas testemunhas identificaram a jovem como sendo Anastasia quando lhes foram mostradas fotografias da grã-duquesa por soldados do Exercito Branco que ainda tinham esperança de encontrar a família real com vida. Uma das testemunhas (um médico) disse aos membros do Exercito Branco que tinha tratado daquela jovem e que ela lhe tinha dito que era a filha do czar, Anastasia e que lhe tinha passado uma receita com esse nome. Mais tarde o Exercito Branco encontrou registos dessa receita. Durante o mesmo período em meados de 1918 várias pessoas usaram a identidade da família para obter ajuda para abandonar o país ou obter dinheiro.


Embora a hipótese de que alguém tivesse conseguido escapar na noite de 17 de Julho nunca tivesse sido levada a sério, existem alguns relatos de que seria possível um ou mais membros da família fugir com vida. Yakov Yurovsky exigiu que os guardas fossem ao seu escritório e entregassem os objectos pessoais que tivessem roubado dos corpos da família depois do homicídio . Segundo alguns guardas houveram espaços de tempo em que os corpos foram deixados sozinhos, na cave, no corredor e, mais tarde, no camião que faria o seu transporte, o que daria espaço de manobra a guardas que não tivessem participado no assassínio e tivessem feito amizade com a família teriam a oportunidade de salvar alguém que não tivesse morrido durante o massacre.

Para além disso, falou-se também na hipótese de que houve bastante nervosismo na altura de esconder os corpos, uma vez que faltavam dois que supostamente tinham caído do camião durante o seu difícil percurso.

Anastásia em 1914
Quando o tumulo dos Romanov foi aberto em 1989, depressa se chegou à conclusão de que faltavam dois corpos.

Recorrendo às maiores tecnologias da altura, duas equipas de cientistas (uma russa e uma americana) começaram a analisar aos corpos.

Quando chegou a altura de apresentar as conclusões, as duas equipas mostraram-se em desacordo quanto aos corpos que faltavam. Os americanos diziam ser os de Alexis e Anastasia , enquanto que os russos afirmavam serem os de Alexis e Maria.

Sem que esta polémica fosse de facto resolvida, o corpo de uma das grã-duquesas foi enterrado sob o nome de Anastasia Romanov em 1991.

Anastásia e Maria em 1914
A 30 de Abril de 2008, após 8 meses de análise a dois corpos que tinham sido encontrados em Agosto do ano anterior perto do local onde os outros restos mortais da família tinham sido recuperados vinte anos antes, foi anunciado que todos os membros da família imperial tinham sido encontrados, colocando assim o que parecia ser um ponto final num mistério que se arrastava há mais de um século.

No entanto, a Igreja Ortodoxa Russa, apoiada por uma das actuais representantes da família Romanov, a grã-duquesa Maria Vladimirovna, nunca aceitou estes resultados, dificultando até hoje o enterro dos dois corpos recuperados em 2007. De modo a satisfazer todas as dúvidas e dar este triste episódio da história russa como encerrado, em Agosto de 2015, um grupo de trabalho liderado pelo antigo presidente russo, Dmitry Medvedev, ordenou a exumação dos corpos enterrados desde 1998, assim como de outros membros da família, nomeadamente o czar Alexandre III, de modo a repetir os exames forenses realizados ao longo da década de 1990. O grupo tem a expectativa de, recorrendo às novas tecnologias disponíveis neste ramo, poder dar as provas necessárias à Igreja Ortodoxa para que possam ser realizadas as cerimónias fúnebres dos dois últimos corpos da família.


Anastasia morreu aos 17 anos de idade

10 comentários:

  1. Linda história!... Seria muito bom um filme mais minucioso a respeito da família do czar.
    Parabéns pelas pesquisas.

    Eunice PA

    ResponderEliminar
  2. Nossa q historia...
    Desde o dia em q eu ouvi falar eu me facinei

    ResponderEliminar
  3. Impressionante, desde que assisti o desenho, sempre torci para que de alguma forma ela tivesse escapado... Tomara que as conclusões estejem erradas...

    ResponderEliminar
  4. creio que anastasia foi morta.

    ResponderEliminar
  5. creio que anastacia vive seu poema........

    ResponderEliminar
  6. Estou encantada com o blog e com a história (embora triste), quando pequena meu pai alugou o filme em desenho sobre Anastasia, depois da primeira vez sempre pedia que ele trouxesse novamente, é tanto que aprendi quase todas as falas e músicas, essa semana fui a uma livraria e encontrei um livro que me chamou a atenção, o livro se chama OS ÚLTIMOS DIAS DOS ROMANOV, de Helen Rappaport, nem imagina que Anastasia estava envolvida no enredo. Na livraria o livro estava de R$ 60,00 encontrei na internet de 35,00, em um site que reune sebos virtuais: www.estantevirtual.com.br Penso que vale a pena a leitura. O BLOG está de parabéns. Abraços. Náiade Soares.

    ResponderEliminar
  7. O modo pelo qual me interessei pela Grã-Duquesa Anastasia é um bocadinho cômico: Foi durante o décimo quinto episódio de Nikita, o chamado Alexandra. Foi mencionado que na história a grã-duquesa tinha escapado e tido como filho Nikolai, que posteriormente teve Alexandra. Pesquisei na internet e li a história. Foi poucas horas antes de um dia tumultuado, e mal consegui me concentrar. Na verdade, pensando hoje, nem me lembro o que lá fiz...
    Sobre o último comentário, me envergonho hoje a pensar que dormia e detetava o filme da disney. Hoje quase alugo novamente, mas a vergonha não me permite ralizar tal ato.
    Pois bem, sim, você está de parabéns sobre o blog. É definitivamente melhor do que a Wikipédia.
    Minha opinião é incerta: Como mecionado, houveram várias oportunidades para fuga. As garotas com as jóias costuradas poderiam ter fingido a morte e pulado do caminhão. Anastasia poderia não ter se mostrado para não ser perseguida.
    Porém, esse último caso é oque me intriga: Caso tivesse sobrevivido, não teria reinvidicado o trono? Não teria declarado Anna Anderson uma impostora?

    Para que eu realmente tenha uma opinião concre-ta, seria necessária a abertura dos túmulos e teste de DNA em todos. Então, ao saber se a sobrevivência ocorreu, formarei uma boa teoria.

    Por enquanto, é só torcer. Pois, vocês sabem, não é possível se confiar em americanos...

    Ana Udinov.

    ResponderEliminar
  8. Boa Noite Marta, adorei seu Blog, Parabéns!
    Faz muito tempo que me interesso por esta história tão triste dos Romanov. Tudo começou quando li um livro de Heinz G. Konsalik chamado "Só Restou uma Vela Vermelha", este romance retrata muito sobre a Rússia e conta um romance do Czar Nikolai e uma Bailarina Famosa. Depois, assisti o desenho da disney sobre a Anastasia, daí fiquei ainda mais interessada sobre esta história e sobre a Anastasia. Fiquei triste quando li sobre a descoberta em 2008 que todos foram mortos naquele mesmo dia em 1918. Uma pena mesmo, porque eu ainda tinha esperança que ela tivesse sobrevivido. Bom, a vida segue né, mas a história sobre os Romanovs sempre será lembrada.
    Grande Abraço,
    Sueli Colbert

    ResponderEliminar
  9. Eu já sabia o básico sobre a história, e esse post me ajudou a descobrir ainda mais. Só faltou citar a forma em que os soldados se livraram dos corpos: Se eu não me engano, os soldados jogaram os corpos em uma vala, e para que os corpos não fossem reconhecidos, jogaram ácido e incendiaram a "vala" onde os corpos estavam, na floresta.
    Parabéns pelo post!

    ResponderEliminar